A Crise Humana – Albert Camus (tradução de Ed Ney Braga)

A Crise Humana – Albert Camus (tradução de Ed Ney Braga)

Prefácio

Por Ed N. Braga

A crise humana (do original francês: La crise de l’homme) foi uma conferência dada por Albert Camus em 28 de março de 1946, no Teatro McMillin (hoje Teatro Miller) da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, e repetida também no Brooklyn College e em Harvard. Camus, na época com 32 anos, havia terminado de escrever seu mais importante romance, A peste, que viria a ser publicado na França no ano seguinte, e já havia iniciado os primeiros rascunhos de seu livro filosófico mais complexo e polêmico, O homem revoltado, publicado cinco anos depois. O texto da conferência foi escrito durante a viagem de Camus para os Estados Unidos, parte de uma missão governamental oficial para promover a cultura francesa. Acompanhado por alguns de seus companheiros da Resistência Francesa da qual era membro, entre eles o escritor judeu Jean Bruller, Camus havia sido alertado pelo então diretor de Serviços Culturais da Embaixada Francesa em Nova Iorque, o famoso antropólogo francês Claude Lévi-Strauss, de que somente assuntos concernentes à literatura e à arte deveriam ser abordados nas palestras. A embaixada não queria mexer com questões políticas e potencialmente desconfortáveis, e o aviso de Lévi-Strauss era justificado pela situação atravessada pela França durante aquele período. O país havia sido ocupado pelos nazistas por quatro anos, e estava livre a apenas um. O clima de insegurança política era palpável no ar apesar do alívio da Liberação, e o mundo inteiro ansiava por notícias vindas daqueles que lutaram contra anos negros de miséria e fanatismo. Enquanto o processo de decomposição do fascismo moribundo de Hitler lançava seus fedores por toda a Europa, e a maior parte da classe intelectual francesa se preocupava em fazer apologias ou defesas descaradas das atrocidades da Rússia comunista de Stalin, Camus unia seu fervoroso protesto pela liberdade ao daqueles que se recusavam a contribuir com a destruição dos valores, do diálogo racional e da soberania legal dos indivíduos levada a cabo pelos totalitarismos do séc. XX. Com isso em mente, fica fácil entender a resposta dada por Camus a Lévi-Strauss acerca da restrição às discussões artísticas durante sua passagem pelos EUA. O jovem escritor não acreditava ser possível falar sobre a arte e a cultura sem que as devidas consequências de posicionamentos nessas áreas para o ser humano fossem devidamente levadas em conta. O desembarque foi cheio de dificuldades burocráticas (Camus foi detido por mais de quatro horas ao desembarcar, por suspeitas de sua ligação com o Partido Comunista francês – do qual havia sido expulso quase dez anos antes –  e só foi liberado por terem sido encontrados artigos em jornais americanos nos quais Hannah Arendt o defendia), mas a presença de Camus conseguiu lotar o Teatro McMillin com mais de 1500 jovens americanos, número cinco vezes maior que o esperado para uma palestra em francês. Àquela altura, os americanos conheciam o ilustre convidado como o famoso autor de O estrangeiro, mas ficaram surpresos pelo fato de um homem que conhecia e descrevia tão ardentemente a condição interna do indivíduo num universo absurdo, possuir um senso tão forte de comunidade e liberdade, que o levava a lutar contra toda domesticação do homem e de seu tecido social pela ideologia. Como o próprio Camus explicitaria mais tarde em O homem revoltado, o comunismo e o fascismo são culpados por essa atrocidade; são, no final das contas, irmãos, consequências de um mesmo niilismo. De fato, é o texto camusiano que anuncia com mais força a chegada de um novo ciclo na carreira de seu autor: o ciclo da revolta. O deserto do absurdo permanece apenas como um ponto de partida. Deve-se ser capaz de fazer nascerem num universo inóspito, assolado pelo absurdo metafísico e pelo absurdo político, as flores da beleza e do amor entre os homens, unidos por valores positivos e por um destino comum.

 

 

Introdução

Senhoras e senhores, quando fui convidado para dar uma série de palestras nos Estados Unidos da América, tive alguma dúvida e hesitação. Realmente não sou velho o bastante para dar palestras, e estou mais à vontade com o processo do pensamento do que em fazer afirmações categóricas, já que não sinto que tenho qualquer reivindicação sobre o que é geralmente chamado de “A Verdade”. Compartilhei essas reservas e fui muito educadamente informado de que minha opinião pessoal não importava. O que importava era que eu fosse capaz de oferecer alguns fatos sobre a França, para que meus ouvintes pudessem formar suas próprias opiniões. Sugeriram-me que eu informasse meu público do estado atual do teatro francês, da literatura francesa ou talvez até da filosofia francesa. Respondi que talvez fosse mais interessante falar sobre os esforços extraordinários dos trabalhadores ferroviários franceses, ou sobre o tipo de trabalho que os mineradores de carvão estão fazendo no norte. Mas então me disseram, e com toda razão, que não se deve forçar os talentos de ninguém, e que esses diferentes assuntos deveriam ser discutidos por especialistas. Já que eu claramente não sei nada sobre alavancas ferroviárias, e que tenho me interessado em questões literárias por bastante tempo, era mais natural que eu falasse de literatura, e não de trens. Finalmente eu entendi: o que importava no final era que eu falasse sobre o que sei e desse alguma noção sobre o que está acontecendo na França. Precisamente por essa razão, não escolhi falar nem da literatura, nem do teatro. A literatura, o teatro, a filosofia, a pesquisa e os esforços de uma nação inteira são meros reflexos de uma questão fundamental: uma luta pela vida e pela humanidade que nos preocupa neste momento. O povo francês sente que a humanidade ainda está sob ameaça, e também sente que para continuar vivendo, deve resgatar uma certa ideia central de humanidade da crise que asfixia o mundo inteiro. Por lealdade a meu país, escolhi falar sobre essa crise humana. Já que estou aqui para falar sobre o que sei, o melhor que posso fazer é esboçar, o mais claramente que eu puder, a experiência moral de minha geração. Porque vimos a crise humana desenrolar-se, nossa experiência pode lançar um facho de luz tanto no destino da humanidade, quanto, em alguns aspectos, nas sensibilidades dos franceses de hoje. Primeiramente, gostaria de definir esta geração para vocês.

 

A crise humana

Os homens da minha idade na França e na Europa nasceram tanto antes quanto durante a primeira grande guerra, chegaram à adolescência no momento da crise econômica mundial e completaram os 20 no ano da chegada de Hitler ao poder. Para completar sua educação, foi-lhes oferecida a guerra da Espanha, Munique, a guerra de 1939, a derrota [1] e quatro anos de ocupação e lutas clandestinas. Suponho que essa é o que se pode chamar de uma geração interessante. E que, justamente por isso, será mais interessante para vocês que eu fale não em meu próprio nome, mas em nome de um certo número de franceses que têm agora 30 anos e que formaram suas inteligências e corações durante os anos terríveis nos quais, como seu país, foram nutridos de vergonha e viveram em revolta.

Sim, esta é uma geração interessante, principalmente porque em face do mundo absurdo que os mais velhos fabricavam-lhe, não acreditava em nada e ansiava revoltar-se. A literatura de seu tempo, o surrealismo em particular, revoltava-se contra a clareza, a narrativa e a própria frase em si. A pintura era abstrata, ou seja, revoltava-se contra o figurativismo, o realismo, a simples harmonia, o sujeito e a realidade. A música recusava a melodia. Quanto à filosofia, esta ensinava que não existia “a verdade”, mas simplesmente “fenômenos”; que existiam o Sr. Smith, o Sr. Durand, Herr Vogel, mas nada em comum entre esses três fenômenos particulares. Quanto à atitude moral de tal geração, tornou-se ainda mais categórica. O nacionalismo lhes parecia uma verdade fora de moda e a religião, um exílio. Vinte e cinco anos de política internacional lhes ensinaram a questionar qualquer pureza, e a pensar que ninguém jamais estava errado ou certo. Quanto à moral tradicional de nossa sociedade, nos parecia aquilo que jamais havia deixado de ser, isto é, uma monstruosa hipocrisia.

Assim, permanecemos em negação. Obviamente, isso não era novidade. Outras gerações, de outros países, tiveram a mesma experiência em períodos semelhantes da história. Mas a novidade é que esses mesmos homens, estranhos a todos os valores, tiveram de ajustar suas posições pessoais para dar conta primeiramente da guerra, e em seguida, do assassinato e do terror. Foi essa situação que os levou a acreditar que poderia haver uma crise humana, já que eram obrigados a viver na mais desoladora das contradições. Pois eles entraram na guerra, de fato, como quem entra no inferno – se é verdade que o inferno é renegação. Não amavam nem a guerra nem a violência, mas tiveram de aceitar a guerra e praticar a violência. Não odiavam nada a não ser o ódio, mas foram forçados a aprender essa difícil ciência.

Por causa disso, cabia a eles lidar com o terror ou o terror lidaria com eles. E se encontraram diante de uma situação que, ao invés de caracterizar no geral, eu gostaria de ilustrar através de quatro histórias curtas de um tempo que o mundo está começando a esquecer, mas que ainda queima em nossos corações.

I.

No edifício da Gestapo de uma capital europeia, após uma noite de interrogatório, estão dois acusados amarrados ainda sangrando, e a porteira do prédio (fazendo seu trabalho doméstico), com o coração em paz, já que provavelmente havia acabado de tomar o café da manhã. Censurada por um dos torturados, ela responde indignada, com uma frase que traduzida para o francês ficaria mais ou menos assim: “Eu nunca me intrometo com o que meus inquilinos fazem.”

II.

Em Lyon, um de meus camaradas é levado de sua cela para um terceiro interrogatório. Como suas orelhas já haviam sido rasgadas durante o interrogatório anterior, ele usa um curativo ao redor da cabeça. O oficial alemão que o interroga é o mesmo homem que conduziu as primeiras sessões e, no entanto, é ele quem pergunta com um tom de afeição e solicitude na voz: “E então, como estão suas orelhas?”

III.

Na Grécia, após uma operação do Maquis [2], um oficial alemão se prepara para fuzilar três irmãos que tomou como reféns. A velha mãe se joga aos seus pés e ele consente em poupar a vida de um deles, mas sob a condição de que ela própria escolherá qual. Como ela não consegue se decidir, ele aponta a arma para a cabeça dela. Ela escolhe o mais velho (pois ele tinha uma família para cuidar) mas ao mesmo tempo condena os outros dois, como o oficial alemão queria.

IV.

Um grupo de mulheres deportadas, incluindo uma de nossas camaradas, é repatriado para a França, passando pela Suíça. Assim que entram no território suíço, elas percebem um enterro civil acontecendo, e a mera visão desse espetáculo lhes causa uma gargalhada histérica: “É assim que os mortos são tratados aqui”, elas dizem.

 

Se escolhi essas histórias, não é por conta de seu caráter sensacionalista – sei que devemos poupar a sensibilidade do mundo e que, na maioria das vezes, ele prefere fechar os olhos para manter a tranquilidade – mas sim porque elas me permitem responder de outra forma que não seja o convencional “sim” à pergunta: “Existe uma crise humana?”. Elas me permitem responder como todos os homens dos quais falei responderam: “Sim, existe uma crise humana, pois a morte ou a tortura de alguém em nosso mundo de hoje pode ser examinada com um sentimento de indiferença, interesse amigável, experimentação científica, ou simples passividade.”

Sim, existe uma crise humana, porque o abate de um ser humano pode ser considerado com outra coisa além do horror e do escândalo que deveria suscitar, já que a dor humana é aceitada como um serviço um pouco entediante, ou mesmo como um abastecimento ou uma obrigação de ficar numa fila para pegar um grama de manteiga. É fácil demais, a essa altura, acusar somente a Hitler e dizer que uma vez morta a besta, seu veneno desapareceu. Nós bem sabemos que o veneno não desapareceu, que nós o carregamos inteiro em nossos próprios corações e que sentimos isso pelo modo como as nações, os partidos e os indivíduos se encaram com resquícios de raiva. Eu sempre acreditei que uma nação deve responder tanto por seus traidores quanto por seus heróis. Mas uma civilização também. E a civilização ocidental, em particular, é responsável tanto por suas perversões quanto por seus sucessos. Sob esse ponto de vista, todos nós devemos responder pelo hitlerismo e devemos procurar as causas mais gerais que tornaram possível o horroroso mal que começou a corroer a face da Europa. Espíritos mais elevados poderiam fazer dessa crise geral o assunto de discursos edificantes, mas a geração da qual estou falando sabe que essa crise não é isso nem aquilo. Então tentemos, com a ajuda das quatro histórias que contei, enumerar os sintomas mais óbvios da crise.

I.

O primeiro sintoma é a ascensão do terror, que é a consequência de uma perversão de valores tal, que um homem ou uma força histórica não são mais julgados em função de suas dignidades, mas de seu sucesso. A crise moderna é inevitável porque nenhum ocidental está assegurado de um futuro imediato, e todos vivem com a angústia mais ou menos definida de serem triturados de um modo ou de outro pela história. Se não queremos que este homem miserável, esse Jó dos tempos modernos, pereça em meio às suas feridas e seu esterco, devemos primeiro tirar de suas costas essa dívida de medo e angústia, para que ele encontre a liberdade de espírito sem a qual não resolverá os problemas que se impõem à consciência moderna.

II.

Essa crise também está baseada na impossibilidade de persuasão. Pessoas só podem realmente viver se acreditam que possuem algo em comum, algo que as une. Se se reportam humanamente a alguém, elas esperam uma resposta humana. No entanto, descobrimos que certos homens não podem ser persuadidos. Uma vítima nos campos de concentração não pôde ter a esperança de explicar aos homens da SS [3] que o estavam espancando que eles não deveriam fazer aquilo. A mãe grega da qual falei não pôde persuadir o oficial alemão de que ele não tinha o direito de forçá-la a partir o próprio coração. A SS e o oficial alemão não representam mais o homem ou a humanidade, mas sim um instinto elevado ao status de uma ideia ou teoria. A paixão, até mesmo a paixão mortal, teria sido preferível, pois a paixão segue seu curso, e uma outra paixão, outro grito da carne ou do coração, toma seu lugar. Mas um homem capaz de terna preocupação pelas orelhas que ele recentemente rasgou, não é um homem apaixonado, mas sim um cálculo matemático que não pode ser contido e com o qual não se pode arrazoar.

III.

Essa crise também é causada pela substituição do real pela matéria impressa, isto é, pelo crescimento da burocracia. O homem contemporâneo tende mais e mais a colocar entre si e a natureza um maquinário abstrato e complexo que o lança na solidão: somente quando não há mais pão, os cupons “vale um pão” aparecem. Os franceses subsistem com uma dieta de 1.200 calorias por dia, mas possuem pelo menos 6 diferentes formulários cada um, e uma centena de selos oficiais para cada um desses formulários. Em todo lugar onde a burocracia está se expandindo, é a mesma coisa. Para ir da França à América usei papel à beça em ambos lugares, tanto papel que poderia ter impresso cópias desta palestra suficientes para serem distribuídas aqui e eu não precisaria sequer comparecer. Com tanto papel, tantos oficiais e funcionários, estamos criando um mundo no qual o calor humano tem desaparecido; onde ninguém pode entrar em contato com ninguém, exceto através de um labirinto do que chamamos de “formalidades”. O oficial alemão que falou com carinho das orelhas esfarrapadas de meu camarada achava que estava tudo bem, já que rasgá-las era parte de sua missão oficial, e que, portanto, não poderia haver nada de errado com ela. Em suma, não mais se morre, não mais se ama, e não mais se mata, exceto através de uma procuração. Suponho que isso é o que se chama de boa organização.

IV.

A crise também é causada pela substituição de homens reais por homens políticos. A paixão individual não é mais possível, apenas paixões coletivas, ou seja, abstratas. Quer queiramos ou não, não podemos mais escapar da política. Não importa mais se respeitamos ou prevenimos o sofrimento de uma mãe, o importante é assegurar o triunfo da doutrina. O sofrimento humano não é mais considerado um escândalo, mas apenas uma variável numa conta cujos montantes terríveis ainda não foram calculados. Está claro que esses diferentes sintomas podem ser resumidos em algo que pode ser descrito como o culto da eficiência e da abstração. É por essa razão que os europeus de hoje conhecem apenas a solidão e o silêncio. Eles não podem mais comunicar-se uns com os outros através de valores compartilhados. E já que não estão mais protegidos pelo respeito mútuo baseado nesses valores, sua única alternativa é se tornarem vítimas ou executores.

 

Eis o que os homens da minha geração compreenderam, e eis a crise diante da qual se encontraram e se encontram. Nós tentamos resolvê-la com os valores dos quais dispúnhamos, ou seja, nenhum, exceto a consciência do absurdo em que vivíamos. Foi nesse estado de espírito que fomos apresentados à guerra e ao terror, sem consolação ou segurança. Sabíamos que não podíamos ceder às bestas que se elevavam dos quatro cantos da Europa, mas não sabíamos justificar essa obrigação na posição em que estávamos. Além disso, até mesmo os mais conscientes de nós perceberam que ainda não haviam pensado em qualquer princípio que lhes permitisse se opor ao terror e repudiar o assassinato. Porque se não se acredita em nada, de fato, se nada faz sentido e não se pode afirmar qualquer valor, então tudo é permitido e nada tem importância. Portanto, se não há nem bem nem mal, Hitler não estava nem errado, nem certo. Pode-se fazer milhões de inocentes passarem por crematórios, como também pode-se devotar ao tratamento de leprosos. Pode-se rasgar as orelhas de alguém com uma mão, e embelezá-las com a outra. Pode-se limpar a casa na frente de torturados. E podem-se prestar honras aos mortos ou jogá-los no lixo. Tudo isso é equivalente. E como pensamos que nada fazia sentido, tivemos de concluir que aquele que está certo é aquele que é bem sucedido, e que este estará certo pelo tempo em que conseguir ser bem sucedido. E isso é tão verdadeiro que, ainda hoje, um monte de pessoas inteligentes e céticas dizem a vocês que se por acaso Hitler tivesse vencido a guerra, a história teria lhe rendido homenagens e teria consagrado o pedestal atroz no qual ele estava empoleirado. E, na verdade, não há dúvidas de que a história como a conhecemos teria consagrado o Sr. Hitler e justificado o terror e o assassinato, assim como nós consagramos no instante em que nos atrevemos a pensar que nada faz sentido.

De fato, alguns dentre nós pensaram que na ausência de qualquer valor superior, poderiam ao menos acreditar que a história tinha um sentido. Em todo caso, agiam como se pensassem assim. Disseram que esta guerra era necessária porque liquidaria a era dos nacionalismos e prepararia o tempo dos impérios depois dos quais se sucederiam, após conflitos ou não, a sociedade universal e o Paraíso na terra. Mas pensando assim, chegaram ao mesmo resultado que teriam chegado se tivessem pensado, como nós, que nada fazia sentido. Porque se a história tem um sentido, ou é um sentido total ou não é nada. Esses homens pensavam e agiam como se a história obedecesse a uma dialética soberana e como se todos nós nos movêssemos juntos em direção a um objetivo definitivo. Pensavam e agiam de acordo com o princípio detestável de Hegel: “O homem é feito para a história, e não a história para o homem.” Na verdade, todo o realismo [4] político e moral que hoje guia os destinos do mundo obedece, muitas vezes sem sabe-lo, a uma filosofia alemã da história, segundo a qual a humanidade inteira se dirige, de acordo com caminhos racionais, para um universo definitivo. O niilismo foi substituído pelo racionalismo absoluto, e em ambos os casos, os resultados são os mesmos. Pois se é verdade que a história obedece a uma lógica soberana e fatal, se é verdade, de acordo com essa mesma filosofia alemã, que o estado feudal deve fatalmente suceder o estado anárquico, e então as nações ao feudalismo, e os impérios às nações, para que então finalmente se alcance a sociedade universal, então tudo o que serve a essa marcha fatal é bom, e as conquistas da histórias são as verdades definitivas. E como essas conquistas só podem ser obtidas pelos meios comuns de guerras, intrigas e assassinatos individuais e coletivos, todos os atos são justificados não como bons ou maus, mas como eficientes ou não.

Assim, no mundo de hoje, os homens da minha geração foram entregues durante anos a uma tentação dupla: pensarem que nada é verdadeiro ou pensarem que apenas a rendição à fatalidade da história é verdadeira. Foi assim que muitos sucumbiram a uma ou outra dessas tentações. E foi assim que o mundo foi entregue à vontade de poder, ou seja, e por fim, ao terror. Pois se nada é verdadeiro ou falso, se nada é bom ou mau, e se o único valor é a eficiência, então a regra deve ser a do mais eficiente, isto é, a do mais forte. O mundo não é mais dividido entre justos e injustos, mas entre senhores e escravos: aquele que está com a razão é aquele que escraviza. A faxineira está certa, e não os torturados. O oficial alemão que tortura e executa, os homens da SS transformados em coveiros, eis os homens razoáveis deste novo mundo. Olhem ao redor de vocês e vejam se, mesmo agora, isso não é verdade. Estamos presos em laços de violência e estamos sufocando. Seja no interior das nações ou no mundo, a desconfiança, o ressentimento, a ganância e a corrida pelo poder estão fabricando um universo sombrio e desesperado no qual todo homem se vê obrigado a viver no presente, com a simples palavra “futuro” a retratar-lhe todas as angústias, pois está entregue a poderes abstratos, emagrecido e embrutecido por uma vida precipitada, separada das verdades naturais, dos sábios passatempos e da simples felicidade.

Afinal de contas, talvez vocês, nesta ainda feliz América, não possam ver isso ou veem com dificuldade. Mas os homens dos quais falo para vocês têm visto isso a anos, provam desse mal em sua carne, leem-no no rosto daqueles que amam, e das profundezas de seus corações doentes ergue-se uma terrível revolta que, eventualmente, acabará arrastando tudo. Muitas imagens monstruosas ainda os assombram para que pensem que isto será fácil, mas sentem o horror desses anos profundamente demais para permitir que continue. É aí onde começa o verdadeiro problema. Não é suficiente que conheçamos a doença. Devemos curá-la. Mas como? Que remédios imediatos poderíamos aplicar à nossa moléstia? Se as características desta crise são a vontade de poder, o terror, a substituição do homem real pelo homem político e histórico, o reinado das abstrações e da fatalidade, e a solidão sem futuro, então essas são as características que devemos mudar se quisermos resolvê-la. Nossa geração foi confrontada com este imenso problema em todas as suas negações. Portanto, é dessas mesmas negações que ela deve tirar sua força para lutar. Era perfeitamente inútil dizer-nos: “vocês devem acreditar em Deus, ou em Platão, ou em Marx”, justamente porque não tínhamos esse tipo de fé. A única questão era saber se iríamos aceitar ou não um mundo onde só é possível ser vítima ou executor.

Claro que não queríamos ser nenhum dos dois, porque sabíamos no fundo de nossos corações que essa distinção era uma ilusão e que na prática só haveriam vítimas, uma vez que matar ou ser morto equivaleriam ao mesmo resultado; os assassinos e os assassinados acabariam todos sofrendo a mesma derrota. O problema não era mais aceitar ou não essa condição e esse mundo, mas saber que razão poderíamos ter para nos opor a ele. Por isso procuramos essas razões em nossa própria revolta, e entendemos que não lutávamos apenas por nós mesmos, mas por algo que era comum a todos os homens. Como isso aconteceu? Num mundo privado de valores, neste deserto do coração no qual habitávamos, o que de fato a revolta poderia significar? Ela nos transformou em homens que diziam “não”, e ao mesmo éramos homens que diziam “sim”. Dizíamos “não” ao mundo, à sua absurdidade essencial, às abstrações que nos ameaçavam, e a uma civilização da morte que estava sendo preparada para nós. Dizendo “não”, afirmávamos que as coisas já haviam durado o bastante e que havia um limite que não poderia ser cruzado. Mas ao mesmo tempo afirmávamos tudo o que estava aquém daquele limite. Afirmávamos que havia algo dentro de nós que rejeitava o escândalo do sofrimento humano, algo que não seria humilhado por mais tempo. É claro, essa contradição deveria ter nos feito parar e refletir. Pensávamos que o mundo existia e lutava sem valores reais. E ainda assim, lá estávamos nós, numa luta contra a Alemanha.

Os franceses que conheci na Resistência, que liam Montaigne nos trens enquanto contrabandeavam seus panfletos, provaram que nós podíamos, ao menos em nosso país, entender os céticos enquanto mantínhamos um senso de honra. E consequentemente todos nós, em virtude do simples fato de que vivíamos, esperávamos e lutávamos, afirmávamos algo. Mas esse algo possuía algum valor geral? Seria algo mais do que a opinião de um indivíduo e poderia servir como uma regra de conduta? A resposta é bastante simples. Os homens dos quais falo estavam prontos para morrer no curso de sua revolta. A morte provaria que eles sacrificaram a si mesmos por uma verdade maior do que suas existências individuais, e que excedia seus destinos individuais. O que nossos revoltados estavam defendendo contra um destino hostil era um valor comum a todos os homens. Quando homens foram torturados diante de suas faxineiras, quando orelhas foram retalhadas com diligência, quando mães foram forçadas a condenar à morte os próprios filhos, quando os justos foram enterrados como porcos, esses homens em revolta julgaram que algo neles estava sendo negado. Algo que pertencia não apenas a eles, mas que era um bem comum através do qual todos os homens poderiam alcançar a solidariedade. Sim, esta foi a grande lição daqueles anos desastrosos: a de que um insulto proferido contra um estudante em Praga afetaria um trabalhador nos subúrbios de Paris; a de que o sangue derramado às margens de um rio no oriente europeu poderia levar um fazendeiro do Texas a derramar o seu nas colinas Ardennes que acabara de conhecer. E mesmo isso era algo absurdo e louco, impossível ou quase impossível de contemplar. Mas ao mesmo tempo, havia naquele absurdo, a lição de que nos encontrávamos em uma tragédia coletiva onde o sentimento de uma dignidade compartilhada estava em jogo. Uma comunhão entre os homens precisava ser defendida e sustentada. Com isso em mente, sabíamos como agir e aprendemos que os seres humanos, mesmo em situações de degradação moral absoluta, podem encontrar valores suficientes para guiar suas condutas. Uma vez que os homens começaram a perceber a verdade subjacente no ato de se comunicarem um com o outro, e no mútuo reconhecimento da dignidade um do outro, ficou claro que era exatamente a essa comunicação que deveriam servir. Para poderem mantê-la, precisavam ser livres, já que um senhor e um escravo não possuem nada em comum, e não se pode falar ou estabelecer uma comunicação com um escravo – sim, a escravidão é um silêncio: o mais terrível de todos os silêncios. Para manter a comunicação, teríamos de eliminar a injustiça, porque não há contato entre o oprimido e seu explorador; precisaríamos suprimir a mentira e a violência, porque o homem que mente se exclui do contato com outros homens, e aquele que tortura e constrange impõe um irrevogável silêncio. Do ímpeto negativo que era o ponto de partida de nossa revolta, traçamos um ethos de liberdade e sinceridade. Sim, era essa comunicação que nos permitia fazer oposição ao mundo do assassinato, e é ela que deve ser mantida hoje para que nos defendamos desse mesmo assassinato.

Como agora já sabemos, devemos lutar contra a injustiça, a servidão e o terror, pois esses três flagelos são os que fazem o silêncio reinar entre os homens, que levantam barreiras entre eles, que os obscurecem um para o outro, e que os impedem de encontrar o único valor que pode salvá-los deste mundo desesperado, que é a dura fraternidade dos homens em luta contra seu destino. No fim desta longa noite, finalmente sabemos o que devemos fazer diante deste mundo dilacerado por sua crise.

I.

Devemos chamar as coisas pelo nome e perceber que consentimos na morte de milhões de seres humanos quando nos permitimos pensar certos pensamentos. Um homem não pensa mal porque é um assassino. Ele é um assassino porque pensa mal. É assim que é possível ser um assassino sem aparentemente nunca ter matado, e é assim que, mais ou menos, todos nós somos assassinos. A primeira coisa a se fazer é pura e simplesmente rejeitar, em pensamento e em ação, qualquer forma de pensamento realista e fatalista. Este é o trabalho de cada um de nós.

II.

A segunda coisa a fazer é desoprimir o mundo do terror que agora reina e que impede a nitidez do pensamento. E já que me disseram que a Organização das Nações Unidas está realizando uma importante sessão nesta mesma cidade, podemos sugerir-lhes que o primeiro texto escrito dessa organização mundial, na esteira dos Tribunais de Nuremberg, proclame solenemente a abolição da pena de morte em todo o mundo. Este é o trabalho dos governos.

III.

A terceira coisa a fazer é colocar a política, sempre que possível, em seu devido lugar, que é um lugar secundário. De fato, não é uma questão de dar a este mundo um evangelho ou um catecismo político ou moral. A grande desgraça do nosso tempo é justamente esta política que tenta nos fornecer, ao mesmo tempo, um catecismo, uma filosofia completa e às vezes até uma arte de amar. Contudo, o papel da política é fazer o trabalho doméstico, e não resolver nossos problemas internos. Eu não sei se existe um absoluto, mas sei que ele não é político. O absoluto não é um assunto para todos, mas para cada um, e todos devem ajustar suas contas um para com o outro, para que cada um possa ter o lazer interior de se interrogar sobre o absoluto. Nossa vida, sem dúvidas, pertence aos outros e é justo doá-la quando se faz necessário. Mas nossa morte pertence apenas a nós. Essa é a minha definição de liberdade. Este é o trabalho dos legisladores e daqueles que fazem as constituições.

IV.

A quarta coisa a fazer é buscar e criar, a partir da negação, os valores positivos que permitirão uma conciliação entre um pensamento pessimista e uma ação otimista. Este é o trabalho dos filósofos, sobre o qual mal falei aqui.

V.

A quinta coisa a fazer é entender que essa atitude equivale a criar um universalismo onde todos os homens de boa vontade possam encontrar um ao outro. Para deixar a solidão para trás, devemos falar. Mas devemos sempre falar com franqueza e, em todas as ocasiões nunca mentir e sempre dizer aquilo que sabemos ser verdadeiro. Porém só podemos falar a verdade em um mundo no qual ela se encontra definida e fundada em valores compartilhados por todos. Não é o Sr. Hitler quem decide o que é verdadeiro e o que é falso. Ninguém neste mundo, nem agora nem nunca, deveria ter o direito de decidir que a sua própria ideia de verdade é boa o bastante para ser imposta em outros, porque apenas a consciência compartilhada dos homens pode realizar essa ambição. Os valores sustentando essa consciência compartilhada devem ser redescobertos. A liberdade que devemos finalmente conquistar é a liberdade para não mentir. E só então poderemos descobrir nossas razões para viver, e para morrer. Este é o trabalho de todos.

 

Eis o ponto onde nos encontramos. Certamente talvez não valesse a pena ir tão longe para chegar até aqui. Mas no final, a história dos homens é a história de seus erros, e não da verdade deles. A verdade é provavelmente como a felicidade: simples e sem história.

Isto significa que todos os problemas estão resolvidos pra nós? Claro que não. Este mundo não é nem melhor nem mais razoável; ainda não estamos fora do absurdo, mas temos pelo menos uma razão para nos esforçarmos para mudar esse mundo, e é essa a razão da qual sentíamos falta. O mundo seria sempre desesperado se não existisse o homem, mas o homem existe e também suas paixões, seus sonhos e sua comunidade. Na Europa somos poucos os que unem uma visão pessimista de mundo e uma profundamente otimista de homem. Nossa pretensão não é escapar da história, porque estamos na história. Pretendemos apenas lutar dentro da história para preservar dela a parte do homem que não a pertence. Queremos redescobrir os caminhos para a civilização onde o homem, sem dar as costas à história, não será mais escravizado por ela. Com a obrigação que cada pessoa incorre com relação aos outros, serão equilibrados pelo tempo de reflexão, o prazer e a felicidade que cada pessoa deve a si mesma. Creio que posso dizer que sempre nos recusaremos a venerar acontecimentos, fatos, a riqueza, o poder, a história como ela se desenrola e o mundo como ele está. Queremos ver a condição humana como ela é. E ela é o que é, sabemos disso. É essa condição terrível que exige que caminhões [5] de sangue e séculos de história resultem numa modificação imperceptível no destino dos homens. Essa é a lei. Durante anos, no séc. XVIII, cabeças caíram por toda a França como granizo. A Revolução Francesa queimou todos os corações com o entusiasmo e o terror e, finalmente, no início do século seguinte, substituímos a monarquia legítima pela monarquia constitucional. Nós, franceses do séc. XX, conhecemos muito bem essa lei terrível. Houve a guerra, a Ocupação, os massacres, os muros terríveis das prisões, uma Europa desgrenhada de dor, e tudo isso para que alguns de nós adquirissem dois ou três insights que ajudassem a diminuir o desespero. Nessa conjuntura, o otimismo é que seria o escândalo. Sabemos que aqueles dentre nós que morreram foram os melhores de nós, pois foram eles próprios que se apresentaram. E nós que ainda estamos vivos, somos forçados a dizer a nós mesmos que estamos vivos apenas porque fizemos menos que outros. É por isso que continuamos a viver em contradição. A única diferença é que esta geração pode agora unir essa contradição a uma imensa esperança no ser humano.

Já que eu queria contar a vocês algo sobre a sensibilidade francesa, será suficiente que vocês se lembrem disto: hoje, na França e na Europa esta geração pensa, resumidamente, que aquele que deposita esperanças na condição humana é um louco, e que aquele que se desespera diante dos acontecimentos é um covarde. Ela recusa explicações absolutas e o reinado das filosofias políticas, mas quer afirmar o homem em sua carne e em seu esforço pela liberdade. Ela não acredita que seja possível transformar a felicidade e a satisfação universais em realidade, mas acredita que é possível diminuir a dor dos homens. É porque o mundo é infeliz em sua essência, que devemos fazer algo pela felicidade; é porque é injusto que devemos trabalhar pela justiça; e é porque é absurdo que enfim devemos dar-lhe suas razões. No final, o que isso significa? Significa que devemos ser modestos em nossos pensamentos e ações, agarrarmo-nos ao nosso lugar e fazermos bem o nosso trabalho. Significa que todos devemos criar comunidades de reflexão fora dos partidos e dos governos, que iniciarão o diálogo entre as nações e que afirmarão, por meio de suas vidas e seus discursos, que esse mundo deve deixar de ser o mundo de policiais, soldados e dinheiro, para ser o mundo do homem, da mulher, do trabalho fecundo e do lazer pensativo. É para este lugar que penso que devemos dirigir nosso esforço, nosso pensamento, e se for necessário, nosso sacrifício. A decadência do mundo antigo começou com o assassinato de Sócrates, e nós matamos muitos Sócrates na Europa nos últimos anos. Esta é uma indicação. Uma indicação de que apenas o espírito socrático de indulgência para com os outros e de rigor para consigo, são perigosos para as civilizações do assassinato. É a indicação de que somente esse espírito pode regenerar o mundo. Qualquer outro esforço, por mais admirável que seja, se dirigido ao poder e à dominação, só pode mutilar ainda mais gravemente o homem. Essa é, de qualquer forma, a revolução modesta que nós, franceses e europeus, experimentamos atualmente.

Talvez vocês tenham ficado surpresos com o fato de que escritores franceses que vieram oficialmente à América não se sentiram obrigados a apresentar a vocês uma imagem idílica de seu país e ainda não fizeram nenhum esforço no sentido do que se convencionou chamar de “propaganda”. Mas talvez ao refletir sobre o que pusemos diante de vocês, essa atitude pareça mais natural. A propaganda é feita, suponho, para provocar nas pessoas sentimentos que elas não têm. Mas os franceses que compartilharam nossa experiência não pedem nem que reclamemos deles nem que os amemos em função de uma ordem. O único problema nacional que enfrentaram não dependia da opinião do mundo. Para nós, durante cinco anos, ele era o de saber se poderíamos salvar nossa honra, ou seja, manter o direito de falar por nós mesmos no rescaldo da guerra. E não precisávamos que ninguém nos reconhecesse esse direito; cabia apenas a nós reconhece-lo. Não tem sido fácil, mas se finalmente o reconhecemos, é porque nós, e somente nós, conhecemos a verdadeira extensão de nossos sacrifícios. Mas isso não nos dá o direito de dar lições. Temos apenas o direito de escapar do silêncio humilhante daqueles que foram espancados e derrotados por terem desprezado o homem por muito tempo.

Além disso, peço-lhes que acreditem que manteremos o nosso lugar. Talvez, como disseram alguns, exista a chance de que a história dos próximos cinquenta anos seja em parte feita por outras nações que não a França. Não tenho uma opinião pessoal sobre esse assunto. Sei apenas que nossa nação, que perdeu 1.620.000 homens há 25 anos atrás e que acabou de perder centenas de milhares de voluntários deve reconhecer que talvez tenha abusado, ou permitido que outros abusassem, de sua força. Isso é um fato. E a opinião do mundo, sua consideração ou seu desdém não podem mudar esse fato. Por isso me parece insignificante solicitar algo do mundo ou convencê-lo. Mas não me parece insignificante destacar, em minha opinião, o quanto a crise do mundo depende justamente dessas disputas de precedência e poder.

Para resumir os debates dessa noite, e para falar pela primeira vez em meu próprio nome, gostaria de dizer apenas isto: sempre que julgarmos a França, ou qualquer outro país, ou qualquer outra questão em termos de poder, introduziremos um pouco mais no mundo uma concepção de homem que levará à sua mutilação, fortaleceremos a sede por dominação e, em última análise, tomaremos parte no assassinato. Tudo o que é para o mundo, é também para as ideias, e aquele que diz ou escreve que os fins justificam os meios, ou que a grandeza é julgada pela força, é absolutamente responsável pelos horríveis montões de crimes que desfiguram a Europa contemporânea. Eis aí claramente definido, creio eu, tudo aquilo que pensei ser meu dever dizer a vocês. De fato, é um dever nosso, eu suponho, permanecermos fiéis à voz e à experiência de nossos camaradas na Europa, para que vocês não sejam tentados a julgá-los precipitadamente, porque eles não julgam a mais ninguém, exceto aos assassinos; e olham para todas as nações com a esperança e a certeza de encontrarem a verdade humana que cada uma delas contém. No que concerne especialmente à juventude americana que nos ouve esta noite, podemos dizer que os homens dos quais falamos têm grande respeito pela humanidade que existe em vocês, e por esse gosto de liberdade e felicidade que havia nos rostos dos grandes americanos. Sim, eles esperam de vocês o que esperam de todos os homens de boa vontade: uma contribuição leal ao espírito de diálogo que querem estabelecer no mundo. Temos apenas uma palavra mais a dizer sobre esse assunto: não rejeitem a mão que eles oferecem a vocês. Nossas lutas, nossas esperanças e nossas reivindicações, vistas à distância, podem parecer confusas ou fúteis para vocês. E é verdade que no caminho da sabedoria e da verdade, se é que existe tal caminho, esses homens não escolheram a via mais simples e direta. Mas isso é porque o mundo e a história não lhes ofereceram nada que fosse simples e direto. O segredo que não puderam encontrar em sua própria condição, eles tentaram forjar com as próprias mãos. E eles falharão, talvez. Mas minha convicção é a de que a falha deles será a do mundo. Nesta Europa ainda envenenada pela violência e por um ódio surdo, neste mundo dilacerado pelo terror, eles tentam preservar do homem o que ainda pode ser preservado. E essa é sua única ambição. Se este último esforço ainda pode encontrar uma de suas expressões na França, e se nós pudemos dar a vocês esta noite uma vaga noção da paixão de justiça que anima todos os franceses, este será nosso único consolo e o meu mais modesto orgulho.

 

 

Notas

Por Ed N. Braga
  1. A derrota em questão havia ocorrido em 10 de maio de 1940, e ficou conhecida como a Queda da França. Após esse incidente trágico, no qual as tropas francesas foram vergonhosamente derrotadas pelas forças nazistas, a Alemanha ocupou o país até a Liberação, em agosto de 1944.
  2. Maquis era o nome dado a grupos de guerrilha rural que lutavam a favor da Resistência, contra a Ocupação Nazista na França. Seus membros, homens e mulheres, eram bastante diversificados ideologicamente: haviam desde nacionalistas, liberais e conservadores, até comunistas e anarquistas. Um dos escritores que acompanhou Camus em sua viagem, Jean Bruller, era conhecido entre os resistentes como “Vercors”, por ser um membro ativo do Maquis de Vercors.
  3. A Schutzstaffel (em português: Tropa de proteção), ou simplesmente SS, foi uma organização paramilitar nazista, uma das principais forças responsáveis pelos crimes cometidos durante o Terceiro Reich.
  4. O “realismo” para Camus é uma forma específica de utilização da razão dentro do contexto político e social. Camus por toda a sua obra se utiliza o termo “razão” como uma forma de aludir a um tipo de racionalidade tácita, semelhante ao conhecimento disperso teorizado por Friedrich Hayek, embora num contexto mais existencial. Sob esse ponto de vista, o “realismo” político seria uma forma de niilismo: o político partiria de uma negação de valores morais, consequentemente negando a existência de uma natureza humana (o que, para Camus, põe em risco a posição do ser humano como sujeito de direitos individuais), e em seguida se utilizaria da razão teórica para pôr em prática um projeto total de modificação da sociedade, “legitimando” assim, os objetivos, desde o início antiéticos, de sua doutrina política.
  5. No original francês, “tombereaux”. Camus está se referindo aos típicos caminhões lotados de cadáveres, tão comuns no cenário dos campos de trabalho comunistas e nazistas durante a guerra.

Este post tem 2.055 comentários

  1. dissertation writing online
    [url=”https://mydissertationwritinghelp.com”]undergraduate dissertation[/url]
    dissertation writing books

  2. master dissertation help
    [url=”https://help-with-dissertations.com”]doctoral dissertation defense[/url]
    phd dissertation help outline

  3. I used to be suggested this blog by way of my cousin.
    I’m no longer sure whether or not this publish is written by means of him as no
    one else know such precise approximately my difficulty. You’re incredible!

    Thanks!

  4. Heya! I just wanted to ask if you ever have any issues with hackers?
    My last blog (wordpress) was hacked and I ended up losing several weeks of hard work due to no backup.
    Do you have any methods to prevent hackers?

  5. Hi, i think that i saw you visited my site thus i came to “return the favor”.I’m attempting to find things
    to enhance my site!I suppose its ok to use some of
    your ideas!!

  6. It is not my first time to pay a visit this web site, i am browsing this website dailly and take pleasant facts from here everyday.|

  7. you’re in reality a good webmaster. The web site loading pace is amazing.
    It seems that you are doing any unique trick. Moreover,
    The contents are masterpiece. you’ve done a wonderful job in this topic!

  8. I know this if off topic but I’m looking into starting my own weblog and was wondering what all is needed to get setup?
    I’m assuming having a blog like yours would cost a pretty penny?
    I’m not very internet smart so I’m not 100% certain. Any recommendations or advice would be greatly appreciated.

    Cheers

  9. My brother suggested I would possibly like this web site.
    He was entirely right. This post truly made my day.
    You cann’t believe simply how so much time I had spent
    for this information! Thank you!

  10. constantly i used to read smaller articles that as
    well clear their motive, and that is also happening with this piece of writing which I
    am reading now.

  11. I seriously love your website.. Pleasant colors &
    theme. Did you make this amazing site yourself? Please reply back as I’m attempting to create my own personal blog and want
    to learn where you got this from or just what the theme
    is named. Thank you!

  12. I all the time emailed this web site post page to all my contacts,
    since if like to read it then my links will too.

  13. Hello there, I discovered your blog by the use of Google at the same time as looking for a comparable topic, your website came up, it seems great. I have bookmarked it in my google bookmarks.

  14. dissertation help in houston
    [url=”https://helpon-doctoral-dissertations.net”]online finance dissertation help[/url]
    best books for dissertation writing

  15. Awesome issues here. I am very satisfied to look your post. Thank you so much and I am looking ahead to touch you. Will you please drop me a e-mail?|

  16. Hi it’s me, I am also visiting this web site on a regular basis, this website is truly pleasant and the viewers are really sharing good thoughts.|

  17. Hey! I could have sworn I’ve been to this blog before but after checking through some of the post I realized it’s new to me. Anyhow, I’m definitely glad I found it and I’ll be book-marking and checking back often!|

  18. I am sure this piece of writing has touched all the internet users, its really really nice piece of writing on building up new web site.|

  19. I visited many sites but the audio feature for audio songs existing at this web site is really superb.|

  20. dissertation service
    [url=”https://dissertationwriting-service.com”]cheap dissertation help in los angeles[/url]
    dissertation sample

  21. affordable dissertation writing
    [url=”https://dissertations-writing.org”]dissertation writing assistance[/url]
    doctorate degree without dissertation

  22. Hi there! I’m at work surfing around your blog from my new iphone 3gs! Just wanted to say I love reading your blog and look forward to all your posts! Carry on the great work!|

  23. I always used to read post in news papers but now as I am a user of internet so from now I am using net for articles or reviews, thanks to web.|

  24. Hi, this weekend is pleasant designed for me, since this occasion i am reading this impressive informative post here at my house.|

  25. Inspiring story there. What happened after? Take care!|

  26. JEDE WOCHE EINE€5 GRATISWETTEWENN SIE €25 SETZEN Der Kundenservice im PokerStars Casino ist ruhig und höflich und immer bereit zu helfen. Er kann jedoch nur per E-Mail Formular ohne Live-Chat Option erreicht werden. Der Unterstützungsdienst selbst ist 24 Stunden geöffnet und bietet den Benutzern den detaillierten FAQ-Dokumentationsabschnitt zu jeder Frage, mit der eine Person konfrontiert werden könnte. Wenn der Fall außer Kontrolle gerät, ist es möglich, ein E-Mail Formular zu bearbeiten und eine Anfrage zu senden. Die Antwort wird innerhalb von 2 bis zu 24 Stunden erhalten, abhängig von der Belastung und der Schwierigkeit des Falls. Pokerstars ist ein Konzern, der bereits seit Jahren weiß, wie man Spieler überzeugt. Und nicht nur die wissen um die solide Qualität des Unternehmens. Auch die Provider haben sich nur allzu gerne auf eine Zusammenarbeit eingelassen. Die Rede ist tatsächlich von gleich zig verschiedenen Entwicklern, die Pokerstars Vegas und damit auch alle Spieler mit hochkarätigen Games versorgen. Zu diesen Entwicklern gehören große Namen wie NetEnt, Pragmatic Play, Play’n Go und viele weitere. Dementsprechend warten fast alle bekannten und beliebten online Slots bei diesem Anbieter. http://harvlace.com/fg/profile/fosterramey4754 8. Nutzung: Besuchen Sie den Reiter “meine apps ” und klicken Sie auf das Caesars Slots: Casino Spiele-App-Symbol. 8. Nutzung: Besuchen Sie den Reiter “meine apps ” und klicken Sie auf das Caesars Slots: Casino Spiele-App-Symbol. Kostenfreier Download Caesars Slots: Slot Spiele (Mod,Hack) für Android APK & Iphone IOS IPA. (Größe: Variiert je nach Gerät) – Ausführung 4.54. Veröffentlicht am 26. Januar 2022. Von DE.VNMOD.NET. Spielen Sie Caesars Slots, ein kasino spiele für eine wahre Las-Vegas-Erfahrung. Entwickelt von Playtika. Betriebssystemanforderungen Variiert je nach Gerät. USK ab 16 Jahren. Man kann Caesar’s Empire kostenlos spielen – wenn man also kein echtes Geld im Casino setzen möchte, so muss man dies auch nicht tun, weil man immer ein Casino mit einem Bonus ohne Einzahlung finden kann. Vor allem neue und unerfahrene Spieler wissen diesen Vorteil sehr zu schätzen, da man so die Chance hat, ganz ohne Risiko zu üben und das Spiel kennenzulernen.

  27. Hi, its fastidious paragraph about media print, we all understand media is a great source of information.

  28. Nice post. I was checking constantly this blog and I am inspired! Extremely useful info particularly the final part 🙂 I care for such information a lot. I used to be looking for this particular information for a very long time. Thank you and good luck. |https://bit.ly/3r1Gneg

  29. Fantastic website. A lot of helpful info here. I am sending it to some buddies ans additionally sharing in delicious.
    And obviously, thank you to your effort!

  30. I was suggested this web site by my cousin. I’m not sure whether this post is written by him as nobody else
    know such detailed about my problem. You are wonderful!
    Thanks!

  31. In the great scheme of things you’ll get a B+ with regard to hard work. Where you misplaced everybody was in your details. You know, they say, details make or break the argument.. And it could not be much more true at this point. Having said that, permit me tell you what did do the job. Your authoring is quite engaging and this is most likely why I am taking an effort to opine. I do not really make it a regular habit of doing that. Secondly, despite the fact that I can easily see the leaps in reasoning you come up with, I am definitely not certain of just how you appear to connect the ideas which in turn help to make your final result. For the moment I will subscribe to your position but hope in the future you actually connect the dots much better.

  32. Thanks so much for the article.Thanks Again. Want more.

  33. For a time, he was doing work part time for his brother, Monte Vales, who owns his own phone repair shop, Speedy iRepair on West Market Street. Eventually, he learned to repair cellphones himself. Subscribe to Our Newsletter for the Latest Updates ‘ + data.location + ‘ Honeydipped Essentials is an all-natural cleaning product line, offering organic remedies for your home. Note: This is just a listing of businesses that are in the downtown district from Front Street to 16th Street and H to N Streets. Please email us if missing anyone on the list! Beyond downtown, there are many more Black-owned businesses to support too: Perry White (Women’s and men’s apparel)From briefs and multizippered track pants for men to latex bodysuits and mesh dresses for women, White’s wares scream sexy and whisper “Buy me now.” 837 Traction Ave., Los Angeles, (626) 379-4749, perrywhite.la https://boomsociety.org/profile/stephan48s79120/ Zerorez is classified as an essential business since we help fight against the spread of germs and viruses through our unique cleaning. We can sanitize and apply disinfectant to living surfaces as well.As residents of the Las Vegas area, we are all experiencing unprecedented times. At Zerorez, we too are impacted, and can help with this challenge. Learn what the CDC recommends for cleaning your home and carpet. It’s often debated what time during the course of a year is the best season to have your carpets professionally cleaned. For us at AmeriClean, our busiest season is Spring followed by Fall in preparation for the upcoming Holiday season. Ideally, of course, wouldn’t it be nice to have your carpets cleaned every season? But, let’s be practical. Most of us don’t have the time or resources to make this happen.

  34. Magnificent website. Lots of helpful information here. I’m sending it to several buddies ans also sharing in delicious. And obviously, thanks on your sweat!|

  35. Everything is very open with a clear explanation of the issues. It was really informative. Your site is very helpful. Thanks for sharing!|

  36. I’ve been surfing online more than three hours today, yet I never found any interesting article like yours. It is pretty worth enough for me. In my view, if all site owners and bloggers made good content as you did, the net will be much more useful than ever before.

  37. Paragraph writing is also a fun, if you be acquainted with afterward you can write or else it is complex to write.|

  38. Whoa! This blog looks just like my old one! It’s on a totally different subject but it has pretty much the same page layout and design. Great choice of colors!|

  39. This website can be a walk-by for all of the information you wanted about this and didn’t know who to ask. Glimpse here, and you’ll positively uncover it.

  40. Parabéns, achei muito legal seu conteúdo web. Com muito
    respeito estou deixando este post com intuito de ajudar
    você e outras pessoas que lerem esta mensagem.

    ‘Mude para a internet mais barata do Brasil (mensalidade de
    apenas R$ 9,97)! Indique 3 clientes e alcance ganhos
    mensais de R$ 28.699,94 ou muito mais. Acesse
    https://www.shoppingcenterbrasil.com/10463455 e
    confira!’.

    Abraço.

  41. Your style is unique compared to other people I’ve read stuff from. Many thanks for posting when you have the opportunity, Guess I will just bookmark this blog.|

  42. It’s awesome to visit this web site and reading the views of all friends concerning this piece of writing, while I am also zealous of getting knowledge.|

  43. I was suggested this blog by my cousin. I’m not sure whether this post is written by him as nobody else know such detailed about my difficulty. You are incredible! Thanks!|

  44. Thank you for the auspicious writeup. It in fact was a amusement account it. Look advanced to far added agreeable from you! By the way, how can we communicate?|

  45. I am curious to find out what blog platform you have been using? I’m having some small security issues with my latest website and I’d like to find something more secure. Do you have any solutions?

  46. Thanks for a marvelous posting! I genuinely enjoyed reading it, you’re a great author.I will remember to bookmark your blog and will come back very soon. I want to encourage you to continue your great posts, have a nice holiday weekend!

  47. Nice blog here! Also your site loads up very fast! What web host are you using? Can I get your affiliate link to your host? I wish my web site loaded up as quickly as yours lol

  48. Good response in return of this difficulty with genuine arguments and describing all on the topic of that.|

  49. Hi, its fastidious paragraph regarding media print, we all be aware of media is a enormous source of facts.|

  50. Great weblog here! Additionally your web site quite a bit up fast! What host are you using? Can I am getting your affiliate link to your host? I desire my site loaded up as fast as yours lol|

  51. The previous two years I really began paying attention to governmental, policies plus the campaigners I am considering voting for. That’s the reasons why I am behind Joe Collins and his bid for Congress throughout this upcoming voting season. Joe Collins is exactly the kind of congressional candidate we all should support. This guy spent thirteen years in the Navy safe guarding our privileges & liberties. Now he’s running for U.S. Congress to safeguard our individual communities and he is bringing original ideas and fresh energy within our own politics. Joe Collins 3 is fighting for issues I care for like enhancing my children’s education and learning & saving our cities from failed Democratic Party policies. Furthermore, Joe Collins wants to get back quality employment enhance financial empowerment and fight homeless which are actually critical to my community. His election is critical to us so donate to Joe Collins III for Congress like I do so that we can get his messages out & be the victor this congressional seat. https://joeecollins3.com/donate2/

  52. Wow that was unusual. I just wrote an incredibly long comment but after I clicked submit my comment didn’t show up. Grrrr… well I’m not writing all that over again. Anyway, just wanted to say great blog!|

  53. It is not my first time to pay a visit this site, i am browsing this web page dailly and obtain pleasant information from here every day.|

  54. Remarkable! Its really amazing piece of writing, I have got much clear idea concerning from this piece of writing.|

  55. Thanks a bunch for sharing this with all folks you actually realize what you’re speaking about! Bookmarked. Kindly additionally visit my website =). We can have a hyperlink alternate agreement between us|

  56. Hello there! Do you know if they make any plugins to safeguard against hackers? I’m kinda paranoid about losing everything I’ve worked hard on. Any tips?|

  57. Greetings! Very helpful advice in this particular post! It’s the little changes that will make the largest changes. Thanks for sharing!|

  58. I was able to find good info from your content.|

  59. Hi, I do think your web site may be having internet browser compatibility problems. When I look at your website in Safari, it looks fine but when opening in I.E., it’s got some overlapping issues. I merely wanted to give you a quick heads up! Apart from that, wonderful website!|

  60. Just desire to say your article is as amazing. The clearness in your post is just nice and i can assume you are an expert on this subject. Fine with your permission allow me to grab your RSS feed to keep up to date with forthcoming post. Thanks a million and please carry on the gratifying work.|

  61. Thank you for another informative website. Where else may just I get that type of info written in such a perfect means? I’ve a undertaking that I am simply now running on, and I have been at the look out for such information.|

  62. Very efficiently written article. It will be helpful to anyone who usess it, as well as myself. Keep doing what you are doing – i will definitely read more posts.

  63. Just to let you know, this content looks a little bit funny from my smart phone. Who knows perhaps its just my cell phone. Great post by the way.
    I had this article saved some time before but my computer crashed. I have since gotten a new one and it took me a while to locate this! I also really like the template though.
    The style that you write make it really simple to read. And the template you use, wow. Its a really good combination. And I am wondering what is the name of the design you use?

  64. Wow! This blog looks just like my old one! It’s on a completely different topic but it has pretty much the same layout and design. Superb choice of colors!
    Some genuinely interesting information, well written and broadly user genial.

  65. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  66. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  67. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  68. Thanks so much for the article.Thanks Again. Want more.

  69. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  70. I loved your blog post.Really thank you!

  71. Thanks so much for the article.Thanks Again. Want more.

  72. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  73. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  74. I really enjoy the article post.Really thank you! Great.

  75. Thanks so much for the article.Thanks Again. Want more.

  76. Wonderful blog! I found it while searching on Yahoo News.
    Do you have any suggestions on how to get listed in Yahoo News?
    I’ve been trying for a while but I never seem to get there!
    Thanks

  77. Hello, you used to write magnificent, but the last several posts have been kinda boring… I miss your tremendous writings. Past several posts are just a bit out of track! come on!

  78. The promotions aren’t cashable and can be used only for wagering. After meeting the play-through requirements, you can withdraw only the sums won. These requirements are 20–40 times the deposit plus a bonus sum and, as usual, game contributions vary depending on the title. To clear a promotion, you are allowed to wager up to $10. There are 2 types of promotions: with Miami Club casino instant coupon codes and automatic. The name ‘’Miami’’ would have given you a hint as to the type of players to expect at the casino. There are numerous gaming options available to players in the Miami Club Casino. Miami Club Casino mobile option is made as easy to access like the desktop version. The bitcoin casino UK version is accessible in both instant play and download app versions that are supported on popular devices like iPhones and iPads. Miami Club Casino instant play version runs on HTML5 technology while the bitcoin casino mobile app is availed in an array of mobile stores such as Google Play Store. Players can find a link to the app under the Personal Account section once they log in on the web. http://ziontlbq653198.blogdal.com/13430766/real-pokie-machines Forgot password? Yes. Mobile gaming of all kinds has exploded in 2022, and you can now play poker via your smartphone or tablet on many major poker sites. The graphics may not be quite as good as your desktop, but you can’t beat it for convenience and poker on-the-go. Using a rated and recommended app is always important to ensure that the real money mobile apps for online poker you are choosing have been safety tested and are audited to ensure that they play fair. Much like Internet poker, it is best to use a trusted name. As always, you can trust the websites we recommend, as we ensure that you can enjoy mobile poker real money applications to their fullest. The world of dedicated poker sites is pretty static compared to that of general online casinos, where quirky new sites pop up all the time. That said, well-established sites like 888poker and partypoker keep things fresh with dynamic bonuses, exciting tournaments and bonus competitions, so you certainly won’t get bored. Plus, our in-house experts will always have an eye out for any new online poker sites that do arrive on the scene and are worth your attention.

  79. Hello, of course this piece of writing is really fastidious and I have learned lot of things from it on the topic of blogging. thanks.|

  80. This design is spectacular! You certainly know how to keep a reader entertained. Between your wit and your videos, I was almost moved to start my own blog (well, almost…HaHa!) Fantastic job. I really loved what you had to say, and more than that, how you presented it. Too cool!|

  81. Greetings from Carolina! I’m bored at work so I decided to check out your site on my iphone during lunch break. I really like the knowledge you present here and can’t wait to take a look when I get home. I’m surprised at how quick your blog loaded on my phone .. I’m not even using WIFI, just 3G .. Anyhow, excellent site!|

  82. Have you ever considered publishing an ebook or guest authoring on other websites? I have a blog based upon on the same subjects you discuss and would really like to have you share some stories/information. I know my audience would appreciate your work. If you’re even remotely interested, feel free to send me an e-mail.|

  83. Последний выпуск “60 минут” эфир сегодня [url=https://t.me/minut60minutes]60 минут[/url] «60 минут» — общественно-политическое ток-шоу

  84. Thanks for finally talking about > blog_title < Liked it!|

  85. Pretty nice post. I just stumbled upon your blog and wanted to say that I’ve really enjoyed surfing around your blog posts. After all I’ll be subscribing to your rss feed and I hope you write again soon!

  86. These are actually impressive ideas in concerning blogging. You have touched some pleasant factors here. Any way keep up wrinting.|

  87. Thanks for your marvelous posting! I quite enjoyed reading it, you can be a great author. I will always bookmark your blog and will come back at some point. I want to encourage you to definitely continue your great writing, have a nice weekend!|

  88. After checking out a number of the blog articles on your site, I honestly appreciate your technique of writing a blog. I book-marked it to my bookmark site list and will be checking back in the near future. Please visit my web site as well and tell me what you think.|

  89. Hello, everything is going nicely here and ofcourse every one is sharing information, that’s actually fine, keep up writing.|

  90. My developer is trying to convince me to move to .net from PHP. I have always disliked the idea because of the expenses. But he’s tryiong none the less. I’ve been using WordPress on various websites for about a year and am concerned about switching to another platform. I have heard fantastic things about blogengine.net. Is there a way I can transfer all my wordpress content into it? Any help would be greatly appreciated!|

  91. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  92. You made a few good points there. I did a search on the matter and found most persons will consent with your blog.

  93. Thanks a bunch for sharing this with all folks you actually realize what you are speaking approximately! Bookmarked. Kindly also seek advice from my website =). We may have a hyperlink alternate arrangement between us!

  94. Do you have a spam problem on this blog; I also am a blogger, and I was wanting to know your situation; many of us have developed some nice practices and we are looking to trade solutions with others, please shoot me an e-mail if interested.|

  95. Peculiar article, totally what I was looking for.|

  96. It’s appropriate time to make some plans for the longer term and it is time to be happy. I have learn this post and if I could I want to suggest you few fascinating issues or tips. Perhaps you could write next articles relating to this article. I want to read even more issues approximately it!|

  97. I have learn a few just right stuff here. Certainly worth bookmarking for revisiting.
    I wonder how a lot effort you put to create such a fantastic informative
    web site.

    Here is my webpage: click here

  98. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  99. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  100. You ought to take part in a contest for one of the most useful websites online. I most certainly will recommend this blog!|

  101. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  102. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  103. Hi, I do believe this is an excellent web site. I stumbledupon it 😉 I will revisit once again since I book marked it. Money and freedom is the greatest way to change, may you be rich and continue to guide others.|

  104. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  105. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  106. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  107. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  108. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  109. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  110. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  111. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  112. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  113. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  114. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  115. Wow, incredible blog format! How long have you ever been running a blog for? you make blogging look easy. The overall look of your web site is magnificent, let alone the content material!

  116. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  117. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  118. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  119. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  120. Very nice post. I just stumbled upon your weblog and wanted to say that I’ve really enjoyed surfing around your blog posts. After all I will be subscribing to your rss feed and I hope you write again soon!

  121. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  122. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  123. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  124. Hello would you mind stating which blog platform you’re working with? I’m planning to start my own blog soon but I’m having a difficult time making a decision between BlogEngine/Wordpress/B2evolution and Drupal. The reason I ask is because your design and style seems different then most blogs and I’m looking for something unique. P.S Sorry for getting off-topic but I had to ask!

  125. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  126. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  127. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  128. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  129. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  130. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  131. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  132. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  133. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  134. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  135. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  136. Do you have any video of that? I’d want to find out some additional information.|

  137. This piece of writing will assist the internet viewers for setting up new webpage or even a weblog from start to end.|

  138. If you want to get a good deal from this post then you have to apply such strategies to your won web site.|

  139. Excellent way of describing, and nice piece of writing to take data regarding my presentation focus, which i am going to present in university.|

  140. Thanks for another excellent post. The place else could anybody get that kind of info in such a perfect manner of writing? I have a presentation next week, and I am on the look for such information.|

  141. Thanks for sharing your info. I really appreciate your efforts and I am waiting for your further write ups thanks once again.|

  142. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  143. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  144. Hi Jane, thank you for stopping by and please stay tuned. Corissa Wait Rosalynd

  145. A big thank you for your blog post.Much thanks again. Really Cool.

  146. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  147. Hi Jane, thank you for stopping by and please stay tuned. Corissa Wait Rosalynd

  148. A big thank you for your blog post.Much thanks again. Really Cool.

  149. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  150. A big thank you for your blog post.Much thanks again. Really Cool.

  151. I follow your nice sharing site from time to time. please please me, escort I recommend you

  152. Ja, wir sind auch auf einige der hier beschriebenen Probleme gestoßen, aber Gott sei Dank haben wir es geschafft, die Seite wieder online zu bringen.

  153. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…

  154. Ich kannte ein Mädchen, das eine Nasenkorrektur bekam, sie war wirklich besorgt, aber nachdem es fertig war, konnte sie mit den Ergebnissen nicht glücklicher sein. clinic

  155. I follow your nice sharing site from time to time. please please me, escort I recommend you

  156. A big thank you for your blog post.Much thanks again. Really Cool.

  157. I follow your nice sharing site from time to time. please please me, escort I recommend you

  158. A big thank you for your blog post.Much thanks again. Really Cool.

  159. A big thank you for your blog post.Much thanks again. Really Cool.

  160. Hi Jane, thank you for stopping by and please stay tuned. Corissa Wait Rosalynd

  161. I think this is a real great article post.Really thank you! Will read on…